2.3.09

Mistério

Não julgues
A vida é um mistério
Cada um obedece a leis diferentes
Não julgues
Olha o lago puro
E a água tranquila
Vêm quebrar-se as mil vagas que varrem o Universo
Todas as ondas do Oceano
Levam ao porto o navio da verdade
Tudo o que vejo, parece-me reflexo
Tudo o que oiço, um eco distante
A minha alma procura uma fonte maravilhosa
Tem sede de água pura
Lumenamena

2 comentários:

Anónimo disse...

os mistérios desvendam-se. o navio cheio de verdade pode afundar se as ondas forem grandes demais. Ficará cheio de inverdade, podendo revelar-se a mentira. Daquela sobrará um eco. Desta uma água suja. Essa fonte existirá?

lumenamena disse...

Para mim essa fonte pode existir. O contexto do poema "Mistério", vai canalizar para cada personagem individualmente. Para uns, essa verdade não afunda, se fôr clarividente e límpida a fonte. Para outros, ficará cheio de inverdades, logo despoleta mentiras. Ninguém quererá essa fonte.