4.4.09

A Criança e a Sociedade

Pedofilia

A pedofilia é o pior dos crimes cometido às crianças. Nada bom!
Quem o pratica deve ter um castigo com o triplo, ou muito mais das penas, para qualquer outro crime.

Choca, por ser de um "bruto", contra um "ser indefeso".
Quando leio uma notícia de criança abusada sexualmente, é como se o tempo parasse, as palavras perdem significado, e se transformam num amontoado de sons, de raiva, desprezo.
Lá no fundo, bem no fundo, mesmo da alma, a criança ou jovem pergunta: "Porquê comigo?". De repente acorda, noutra vida o da realidade e vem de seguida medo, pavor, e vergonha, de voltar a ser "para sempre".

Praticado por vários estatutos sociais. Vergonhoso!
As sociedades recolhem os frutos que plantam, com a cultura da indiferença!
Só pode ser doença patológica! De foro mental!
Lumenamena

4 comentários:

pink poison disse...

Os pedófilos têm uma inclinação sexual tal como os homossexuais. Mas não passível de pôr em prática. Eu fazia isto a um pedófilo: uma garrafa partida pelo r*** acima e rodava...

Toni disse...

A pedofilia, é talvez o único crime onde defendo o uso de "técnicas radicais" de punição, bem ao gosto dos tempos medievais.
E não me venham com a história do coitadinho do agressor...

Rui Soares disse...

Eu conheço uma frase muito famosa chamada: "Quem nunca pecou que atire a primeira pedra." - Jesus Cristo.
Vivemos num Universo Holográfico minha gente. Tudo o que detestável vejam nos outros está em vós! As "técnicas radicais" de punição são exactamente as que os pedófilos usam para destroçar as suas vítimas... Também muitos deles foram destroçado(a)s por outro(a)s pedófilo(a)s, muitas vezes, pessoas chegadas. Digam o que disserem vivemos numa Sociedade sexualmente castrada pelos dogmas religiosos. Adivinhem o tamanho do exército de frustrado(a)s a nível sexual, numa sociedade em que pensar em sexo é pecado ou sujo ou perigoso...
Que eu saiba há instituições especializadas (ou deveriam existir) em julgar os "pecados" dos cidadãos. Não me cabe a mim julgar, apedrejar ou atirar para uma catacumba de tortura medieval pessoas que eu não conheço de lado nenhum, nem que vidas têm ou tiveram para chegar a actos tão horrendos! Não me cabe a mim julgar quem seja criminoso. Imaginem-se numa situação extrema, numa situação em que já não haja nada a perder. Sintam quantos crimes seriam capazes de cometer sem pestanejar! Não se querem ver nessa situação? Então continuem a vossa "santificada" negação e escolham a teoria do "matar em nome da justiça" ou "matar em nome de Deus" ou "olho por olho, dente por dente". É sempre bom não vestirmos, não aceitarmos o que de pior existe na humanidade. É um fardo muito grande não é? Pois é! Então continuem a projectar nos outros todo esse fardo e verão o monstro que criaram....

lumenamena disse...

Rui Soares - O seu raciocínio é muito sofisticado.
Concordo enquanto pensarmos que vivemos num Universo holográfico, em que a natureza de "todo em cada parte", nos proporciona uma maneira nova de entender com organização e ordem, em tudo que vemos, sentimos e agimos.
Fazermos nós próprios justiça, não é atitude que resolva qualquer acto criminoso. Também sabemos que existem instituições especializadas para resolver esses actos imundos.
Como acreditar que a justiça resolva, quando os próprios criminosos, na maior parte deles, são pessoas em quem nós depositámos a nossa confiança!?
Continuamos a deixar e a querer que a justiça funcione!