23.4.09

A Infinidade e o Nada

Não é consciência exterior, não é consciência interior,
nem uma suspensão de consciência.
Não é o conhecimento, não é o não conhecimento, nem é o processo de conhecer.
Não se pode ver, nem compreender.
Não se pode limitar.
É inefável e está para além do pensamento.
É indefinível.
É o acabar de toda a actividade, silencioso e imutável,
o bem supremo, único sem ter segundo.
É conhecido apenas ao tornar-mo-nos ele.
Lumenamena

3 comentários:

pink poison disse...

Sempre me questionei onde acaba o espaço... O infinito é um termo que me assusta...

lumenamena disse...

O espaço infinito expande-se a partir de si mesmo.
O que se tem de pensar como infinito, é o próprio Universo em expansão.
Se tudo no Universo estiveram mais distantes hoje, já estiveram mais próximas ontem. Uma singularidade onde não existe tempo nem espaço.

rogerio franco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.