31.10.09

A Matemática da Vida


A Força Faz a União

Os matemáticos deixaram de ser românticos. Será possível?
Eles tornaram-se muito prosaicos. Para muitos de nós, os números não são mais do que uma ferramenta, e não sabemos bem a razão por que é bom que a transmitamos aos mais jovens. Mas houve um tempo, quando nasceu a própria matemática tal como hoje a conhecemos, há mais de 25 séculos, em que tudo era diferente. Para os pitagóricos, o pensamento matemático era a escala que levava à compreensão do universo, ao conhecimento das raízes e das fontes da Natureza.
Será verdade que tudo pode ser explicado com números?
Existe alguma maneira de reduzir a equações o comportamento das aves migratórias, o crescimento de uma duna na praia, a propagação de um vírus ou o tempo que as feridas demoram a cicatrizar?
Por que se transmitem os vírus?
O que aconteceria se a força da gravidade fosse maior?
Recentemente alguns especialistas idealizaram uma teoria que pode revolucionar a forma como interpretamos a realidade, a qual parece poder ser aplicada a tudo o que nos rodeia e que se dá pelo nome tão pouco romântico como “cálculo da escala de tempo”, ou seja, a possibilidade de estabelecer de modo relativamente estável curvas que forneçam uma explicação para fenómenos complexos. Especialistas consideram que esta nova tendência surgida no mundo das matemáticas abre portas para elaborar projectos sobre fenómenos dinâmicos complexos.
Estou convencida de que este ramo da matemática poderá mesmo contribuir para erradicar doenças, pois os números estão mesmo no coração de tudo. Até no nosso coração…
No fim de contas, parece que a matemática ainda pode ter esperança de recuperar o romantismo supostamente perdido.
Lumenamena

19 comentários:

Adh2bs disse...

Olá!
Sempre achei - desde pequeno - que havia uma relação matemática entre todos os eventos do universo, regendo nossa vida e o destino do mundo. Até Deus - longe de ser uma incógnita - parece um ente lógico a partir do amor que irradia. Só não acho tão imprescindível calcular, prefiro viver empiricamente deixando parábolas, hiperbóles e equações ao sabor do acaso...
Grande abraço,
Adh2bs

Lumenamena disse...

Olá Adh2bs,

Podes achar que não é tão imprescindível utilizar o cálculo matemático, mas os números estão mesmo em todas as áreas.
Os números estão nas partículas (uma alteração infitesimal na relação entre estas forças levaria a que o mundo físico deixasse de existir ou fosse impossível); nos insectos (a variação saxional é muito difícil de reproduzir em termos matemáticos, se não se puder contar com as novas ferramentas de cálculo); nas órbitas planetárias (sem o valor da constante gravitacional, não teria sido possível conhecer como se movem os planetas em redor do Sol); nas cicatrizes (no prognóstico de cura de uma ferida, o médico analisa o tamanho da lesão, o número de curas, visitas ao médico, restos de sujidade, coágulos extraídos, tudo isto para o médico ter a melhor informação); no tamanho do cosmos (depende de um número); no vírus do Nilo (foi necessário recorrer a cálculos matemáticos); nas epidemias (os cálculos dependem dos ciclos de vida de animais, plantas e pessoas). Tudo isto para dizer que as fórmulas explicam comportamentos dos seres vivos.

Por outro lado preferes viver empíricamente, diria que és um ser com uma visão de vida diferente, que nem todos a conseguem atingir.

Um Grande Abraço,
Lumena

Eduardo Aleixo disse...

Amiga, tu sabes que sou poeta. Mas ignoras que adoro... os números. Tenho até um poema escrito sobre: quem descobriu os aLgarismos? As suas formas? A sua bela arquiectura? POr que é que o 3 tem esta forma e não outra? Equilibro-me nas letras. Mas poderia equilibrar-me tb nos números se tivesse sido ensinado...A letra e o número, andam de mãos dadas. Microcosmos indispensáveis para respirarmos no MACRO. Não digo mais. Porque sou ignorante nestas coisas, mas deixo apenas sem vergonha o que a minha criança ( minha criança sou eu: linguagem poética ) diria se lhe perguntasem ( os cientistas ). Boa noite. E beijos meus.

Edson Carmo disse...

Lumena,

A mente é matemática, ela não vive sem cálculos e sem explicação. Matemática é lógica e a lógica é uma das maiores prostitutas do mundo – ela sempre se vende, se entrega para aquele que paga mais! É assim, um dia aparece um cientista com uma belíssima tese, logo em seguida levanta-se outro com a antítese, e o que acontece?! Na maioria das vezes a dialética é completamente diferente daquilo que se conhecia e se acreditava antes. É claro que precisamos de matemática, ela tem o seu valor, a sua importância – o que faríamos no shopping, no mercado sem ela? A matemática é utilitária, resolve e responde muita coisa, mas não pode explicar tudo. Existe o conhecido e o desconhecido – esses a matemática pode alcançar, dizer alguma coisa, mas o que ela dirá do incognoscível?

Edson Carmo

Lumenamena disse...

Eduardo Aleixo,

A ciência não tem respostas para todas as perguntas.
Eu não gosto muito da separação entre ciências exacta, biológica e humana. Apesar de uma aparente separação estão juntas, descrevendo a ciência.
A verdadeira divisão é entre cientistas teóricos/históricos e cientistas experimentais/observacionais.

Um Bem Haja,
Lumena

Lumenamena disse...

Edson Carmo,

Muito interessante o seu comentário!

Aqui está a pedra filosofal: o que dirá a matemática do incognoscível?

Todos os fenômenos que aparentam existir fora de nós estão também contidos dentro das nossas mentes, intermediadas pelos sentidos.

Um Grande Abraçlo,
Lumena

Edson Carmo disse...

Lumena,

Eis um bom mapa, uma boa indicativa, digna de aprofundamento.

Graças,

Edson Carmo

Isa from Aveiro disse...

Olá mais um post interessantissimo e que nos pode levar a reflectir acerca da matemática, da forma como ela está intrinsecamente liga à vida e à nossa vida e por outro lado o pavor que algumas pessoas sentem só de ouvir pronunciar o seu nome. O que há afinal de errado nisto?

Lumenamena disse...

Feliz por vê-la aqui novamente!

Sim, a matemática está ligada à nossa vida e, precisamos da bendita matemática. Ela dá uma noção objectiva de inúmeras coisas que nos rodeiam, ajudam-nos a organizar a vida.
Muitas pessoas têm pavor da matemática, simplesmente porque talvez os seus professores não transmitam de maneira adequada os conteúdos matemáticos.
O principal problema da matemática não é a matéria em si, porque 1+1 sempre foi e será 2.
A melhor maneira para o professor ensinar é incutir que raciocinar e pensar está sempre em primeiro plano.
Muitos alunos têm dificuldade de interpretar textos, gráficos e comportamentos físicos.
A matemática é abstracta, daí a aplicação ser muito importante para o interesse dos próprios alunos. O professor incansavelmnete deve interagir com os alunos, propondo exercícios e desafios, fazendo da matemática uma brincadeira, em que os próprios alunos apresentem assuntos, e se mostrem interessados.
É uma das áreas muito importantes, no entanto, esta-se a perder o encantamento pelos números.

Obrigada pela participação.

Um Grande Abraço,
Lumena

Lumenamena disse...

Edson Carmo,

Aprofundar e aumentar a nossa visão, a nossa compreensão da existência de um arquétipo incognoscível. Há sim, que aprofundar e muito!

Um Bem Haja,
Lumena

Rener Brito disse...

Na via há duas formas de conhecer e a há duas formas de sentir. Posso conhecer e sentir por cálculos (lógica). Posso conhecer e sentir por vivencia (empirismo).
A lógica como já colocado e um meretriz, vende-se a qualquer um que tenha um bom argumento. O resultado da lógica nada mais é do Na via há duas formas de conhecer e a há duas formas de sentir. Posso conhecer e sentir por cálculos (lógica). Posso conhecer e sentir por vivencia (empirismo).
A lógica como já colocado e um meretriz, vende-se a qualquer um que tenha um bom argumento. O resultado da lógica nada mais é do que uma potência com sentir frio e apático.
O empirismo diferente da lógica é um envolvimento direto factual com ser e o estar. Um vivencia com um resultado real em um senti profundo nas entranhas e não na mente. vida

Já para o comércio o que seria de nós sem os números!?

Rener Brito disse...

Quanto ao incognoscível, por exemplo, Deus.

Calculo nenhum pode encentrá-lo, só por meio da FÉ, você pode penetra no Deus-incognoscível, e por meio da intuição, você pode sentir, e ter uma experiência com O Deus-incognoscível -, mas explicá-lo, não é.

Deus é como o AMOR, você o senti, mas não sabe explicá-lo, você só sabe que senti não no intelecto como algo advinda de uma lógica, mas nas entranha do ser como algo que faz parte do seu DNA. Deus é como o AMOR, você o senti, mas não sabe explicá-lo, você só sabe que senti não no intelecto como algo advinda de uma lógica, mas nas entranhas do ser como algo que faz parte do seu DNA.

Lumenamena disse...

Rener Brito,

Perfeito seu comentário.

Um e outro são necessários, o conhecer e o sentir. Tem que haver uma complementariedadde sinergética.
O conhecimento é o pensamento em processo de reflexão. Por isso, quando adquirimos o conhecimento e a vivência, a junção dos dois nos dá a consciência que é a fusão do conhecer e do sentir.
De que adianta conhecer sem sentir ou sentir sem conhecer se é na complementariedade do sentir e conhecer que conseguiremos sair da visão objectiva tridimensional do Universo para percebermos e vermos subtilmente um Universo de várias dimensões.

Para o comércio seria de igual forma como para todas as outras áreas. Faria muita falta.

Um Bem Haja,
Lumena

Lumenamena disse...

Rener Brito,

Quanto ao incognoscível. in.cog.nos.cí.vel
adj+sm (in+cognoscível)
Que, ou o que não se pode conhecer.
(Dicionário Michaelis)

Não se pode conhecer Deus, ou a sua Natureza, porque Ele é apenas uma idéia, uma concepção divina sem fundamentos científicos e explicação racional.

Um Bem Haja,
Lumena

Rener Brito disse...

Não estou falando do deus produto da psicologia ou saído da madre de alguma religião. Falo do Deus que regi as leis da natureza que a ciência não consegue explicar, o Deus que traz da inexistência para existência. Falo da causa, já que para tudo que existe tem que ter uma causa, posto que o nada por si só nada é, e sendo nada, um nada, nada pode criar se não o nada – sendo assim o existir tem uma causa, ou seja, um começo. Falo da causa primaria por traz do big bang . O Alfa e Omega.

Rener Brito disse...

Lumenamena da uma passada no meu blog, deixei uma surpresa para você.

Lumenamena disse...

Rener Brito,

Muito obrigada pela surpresa!

Vou buscar o selo e colocarei no blog Amoralya.

Um Abraço,
Lumena

Lumenamena disse...

Rener Brito,

A ciência tenta buscar a verdade, o que a ciência não explicou ainda, é porque não conhece o suficiente para explicar. Enquanto é válido o conhecimento, dado pela comunidade científica, diminui a parcialidade existente nas descobertas.
Sim, tudo o que existe tem que ter uma causa, e por trás do big bang, Alfa e Omega, a grande explosão de um átomo primordial que teria originado tudo aquilo que compõe o Universo. Em todo o processo físico há uma sequência de estados. Um estado precedente é uma causa para outro estado que é o seu efeito, e há sempre uma lei física que descreve esse processo.
Não podendo nenhum ser humano criar o que a Natureza produz, a causa primária é, por conseguinte, uma inteligência superior à Humanidade, uma Energia. Quaisquer que sejam os prodígios que a inteligência humana tenha operado, ela própria tem uma causa e, quanto maior fôr o que opere, tanto maior há-de ser a causa primária. Aquela inteligência superior (Energia), é que é a causa primária de todas as coisas, seja qual fôr o nome que lhe dêem.
Tudo poderá ter sido com reacções químicas e depois a grande explosão, os átomos estão em todo o lado, que por sua vez são partículas compostas por nuvens de partículas, que existe entre big bang e big crunches.

Teria muito mais para dizer, mas penso responder à sua questão.

Abraços,
Lumena

Terra Viva Comercio de alimentos naturais. disse...

A VIDA É COMO UMA CERTEZA, E NADA PODE MUDAR O CERTO, TUDO ESTA LIGADO A TUDO, E AGINDO SEM A CERTEZA " O RACIOCINIO DA MATEMATICA PARA NÃO MUDAR A SINTONIA DO PERFEITO". COMO UM CICLO ANIMAL QUE NAO SAI DA ORDEM SE NÃO HOUVER INTERFERENCIA SOBRE ATOMO ALGUM. É O HOMEN. ASSIM TEREMOS QUE PASSAR TODOS CADA QUAL COM SUAS SITUAÇÕES, PARA PODERMOS CONCRETIZAR O CALCULO PERFEITO DA AÇÃO.