24.11.09

Meditação Observadora


O Silêncio da Mente

Um dia limpei da minha mente todos os pensamentos. Abandonei todo o desejo. Expulsei todas as palavras com que pensava, e repousei na tranquilidade. Senti-me um pouco estranha, como se tivesse sido transportada para dentro de qualquer coisa, ou como se estivesse prestes a tocar algum poder desconhecido para mim… e entrei. Perdi as amarras do meu corpo físico. Estava dentro da minha pele, claro, mas sentia-me como se estivesse no centro do cosmos. Falei, mas as minhas palavras tinham perdido o seu significado. Vi pessoas a caminharem em direcção a mim, mas todas eram a mesma pessoa. Todas eram eu própria!

Num lugar sossegado onde ninguém o perturbe, observe simplesmente os seus sentimentos, impulsos, sensações e pensamentos. Não se preocupe com o facto de os seus pensamentos virem e irem. O seu compromisso é observá-los simplesmente. Se as emoções surgirem, deixe que passem ou flutuem. Também elas se movem com a corrente da sua consciência. Caso se intrometam sons, considere-os como pássaros que voam pelo céu do seu ser mais amplo. Se uma sensação o incomodar, tente deixar que essa sensação termine. Observe os seus sentimentos ou pensamentos, até que sinta um equilíbrio e uma clareza crescentes.
É uma técnica mental que permite qualquer ser humano mergulhar dentro de si mesmo e, experimentar níveis mais subtis da mente, transcender e experimentar o oceano da consciência pura do seu interior, ou seja, a fonte do pensamento. E com a prática regular, esse oceano de consciência pura é avivado.
A frequência da meditação é uma vez pela manhã e outra, à noite. Percebe-se muito mais alegria nas acções diárias, aumenta tanto que fica até difícil descrever em palavras. Através da prática aumentamos a capacidade da nossa consciência, e consequentemente a compreensão aumenta, elimina o stress, melhora a criatividade, a habilidade de resolver problemas e a intuição melhoram. Um dos efeitos da meditação é aquietar a mente, ou pacificar os turbilhões da mente. A meditação cria uma harmonização com os ritmos profundos do Universo, começando pelo interior, ligando as batidas do coração à respiração.
Mantras, são sons usados na técnica da meditação. A primeira condição é que ele deve ser um pensamento sem significado. Este pensamento podia ser obtido a partir de qualquer um dos sentidos. Podia, por exemplo, ser uma imagem visual sem significado. Mas, geralmente, considera-se que o sentido da audição é o mais adequado. São mantidos em silêncio, porque está a ser experimentado em níveis mais tranquilos.

Amar aviva-se a unidade. Acreditem que ao avivá-la tornamos a vida bem melhor. Talvez a iluminação esteja distante, mas quando se caminha em direcção à luz, a cada passo tudo se torna mais claro. Avivar a unidade no mundo trará paz à terra.
Lumenamena

7 comentários:

Eduardo Aleixo disse...

Abraço-te, companheira dos mesmos caminhos do silêncio, caminhos nossos no Caminho de todos, mas cada com o seu percurso, na procura da não-mente, da paz suprema, do país do sem tempo, da ranquilidade e do Amor...
Sim, quanto mais praticamos, mais vamos sabendo e descobrindo...
Eduardo

Lumenamena disse...

Eduardo Aleixo,

Principalmente a harmonização do percurso.
Bonito!

Abraços,
Lumena

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

Lendo o primeiro parágrafo, tem-se a impressão de que estás a dizer que, no fundo de nossos seres, todos somos um, visto que é possível um perder-se de si mesmo e ver nos demais apenas uma espécie de "outro eu", de si mesmo.

Querida, obrigado pelo carinho da visita. Desculpa se tinha deixado os avisos para hoje, é que ontem eu estava mesmo sem tempo. De qualquer forma, tua opinião sempre me é preciosa. Obrigado.

A sabes que agora sou noivo? O felizardo é de Lisboa, mas só vou me casar quando ( e se) o governo português passar a reconhecer oficilamente os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. O nome dele é Gomes. Uma vez, ele me disse que a palavra "unidade" (esta palavra aparece no teu post, no final), só passou a ter também o sentido de "união" de dois séculos para cá, que antes somente se a usava para referir-se à unidade numérica... Sei que é bobo, mas não consegui deixar de dizê-lo... Um abração da Flor do Sul.

Lumenamena disse...

Abdoul Hakime,

Lindíssimo teu comentário.

Analisaste e muito bem. No nosso Ser, no mais profundo Ser, somos todos Um, nem tenhas dúvidas.

Hakime, quase todos os aspectos da vida são determinados no nível molecular, e sem o conhecimento das moléculas apenas podemos ter uma compreensão muito esquemática da vida.
Sendo assim, o homem é um sonho de uma sombra. Mas quando uma abençoada claridade acontece, pousa sobre os homens uma luz radiante, e a vida serena.

Fico muito feliz de saber que vais ficar noivo.
É português, ainda vens para cá, não?
Dá tempo ao tempo, Portugal é, neste momento, o único país da Europa cuja Constituição proíbe explicitamente a discriminação com base na orientação sexual. No entanto, essa discriminação continua a existir na lei uma vez que o casamento civil continua a não ser permitido para casais de gays ou de lésbicas.

Assim, é fundamental e urgente que o Governo português compreenda que o casamento não pode ser um privilégio de casais heterossexuais e tome medidas concretas no sentido de garantir que casais de gays ou de lésbicas, que se amam e que se comprometeram a partilhar de forma plena as suas vidas, possam ver esse amor e esse compromisso igualmente reconhecidos e valorizados pela sociedade que integram.

Esperemos que tudo se resolva.

Um Grande Abraço,
Lumena

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

Pois é, Lumena, eu sempre pe nsei assim.
É muito bonita essa comunicação que mantens com teus leitores, aqui neste espaço dos comentários, e eu sempre tenho medo de esquecer de voltar em tempo de ler as tuas respostas.
Sim, quanto a casar com o meu namorado português, eu sei disso. Na verdade, meu pai (ou seja, o homem que me registrou em seu nome, e que para todos os efeitos legais é o meu pai, embora biologicamente não o seja) ele é filho de portugueses, mas eu quero mesmo é casar aí. Sei que a lei ainda não reconhece esse tipo de união, entre indivíduos do mesmo sexo, mas essa não foi uma promessa do atual governo, ainda nas eleições de setembro passado. Será que em mais ou menos um ano isso não muda? tomara que sim, né.

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

Desculpe, quando eu falei das eleições de setembro passado, faltou o ponto de intrerrogação. Era para dizer que esta foi sim a promessa da elição.

Lumenamena disse...

Abdoul Hakime,

Percebi agora.
Certamente esperarás mais um ano ou dois.

Um Abraço,
Lumena